(11) 99225-2811 info@braddocks.com.br
Vídeos Assine nosso canal no Youtube

Freio a disco na speed

Será que compensa ter esse equipamento?


Veja as principais vantagens e desvantagens de cada sistema.

O freio a disco já é padrão no mountain bike há algum tempo, mas ele é recente entre as estradeiras. Nós vamos mostrar o que ele tem de diferente de uma ferradura.

É claro que na terra você está exposto a muito mais sujeira do que no asfalto, mas mesmo no asfalto, esse sistema tem suas vantagens.

 

Vantagens

Vamos começar falando das vantagens dele na terra.

 

Longe da sujeira

Por estar no centro da roda, o disco está mais longe da sujeira e da lama. Isso já resulta numa frenagem melhor do que o sistema tradicional.

Em situações em que o barro seca e se acumula na bicicleta, o sistema a disco permite um vão muito maior entre o quadro e o pneu, o que reduz a chance do barro atrapalhar o movimento da roda.

No sistema tradicional, a água e o barro entram nos conduítes e tiram a lubrificação. Em pouco tempo, ele começa a funcionar mal.

O sistema hidráulico é lacrado, então não sofre nada com essa exposição.

 

Potência

Agora, as vantagens que também se aplicam ao asfalto.

A potência de um sistema hidráulico é muito maior do que um sistema mecânico. Isso já dá mais conforto e menor cansaço ao ciclista. E, numa situação de menor aderência na pastilha por causa da chuva, por exemplo, o sistema hidráulico tem força suficiente pra continuar acionando o freio. Ele também tem menos variação no acionamento nessa situação, sendo mais previsível.

Com a ferradura, é comum, por exemplo, tomar aquele susto ao apertar o manete a primeira vez, depois que a chuva começou.

 

Modulação

Uma grande vantagem do freio a disco é melhorar a modulação, que é a facilidade em escolher a intensidade da frenagem no manete. Os freios convencionais podem ser mais bruscos e pegar o ciclista de surpresa.

 

Aerodinâmica

Com a posição central do disco, os engenheiros têm mais liberdade pra desenhar rodas, quadros e garfos mais aerodinâmicos porque eles passam a ter uma função estrutural menor na região que ficavam as ferraduras.

 

Centralização de massas

Embora o sistema seja mais pesado, os fabricantes de roda conseguem fazer aros mais leves porque eles deixam de ter função de frenagem. Os cubos podem até ser mais pesados que os tradicionais, mas a centralização das massas no eixo é sempre boa pra aumentar agilidade nas acelerações e mudanças de direção.

Contras

CUSTO: o sistema hidráulico é mais caro, na compra e na manutenção.

MANUTENÇÃO: a manutenção é menos frequente, mas é mais complexa e especializada. Se você não tem certeza de como operar o sistema hidráulico, não se arrisque a mexer. Ele segue os mesmos princípios dos carros e não pode ter bolha de ar e nem vazamentos nos conduítes.
PESO: a diferença não é tão grande (300g), mas é mais pesado.

Conclusão

Sem dúvida, o freio a disco tem muitas vantagens, especialmente na chuva e em descidas longas, mas as ferraduras modernas têm um ótimo desempenho e potência. Numa frenagem de emergência, o que falta mesmo é aderência do pneu com o asfalto.

 

Discos mecânicos

Os freios a disco mecânicos usam cabos de aço em vez de fluído de freio, então eles não têm as mesmas vantagem de continuar funcionando bem na sujeira e nem a mesma potência de frenagem de um sistema hidráulico.

Então, na nossa opinião, não compensam o investimento em relação a uma ferradura tradicional.